Ligeira, potente, extraordinária

Na Ducati desde 2002, Allessandro Valia é Piloto de Teste Oficial da Ducati para os modelos em produção

nos estabelecimentos de Borgo Panigale. Com uma longa carreira em Superbike, conhece bem o universo racing. Se buscar sempre superar os limites faz parte do seu DNA, a sua profissão exige-lhe um certo tipo de sensibilidade e um conhecimento das linguagens mais técnicas. A atividade de teste na 1299 Superleggera revelou-se uma experiência inesperada, que lhe permitiu apreciar toda a potência da edição limitada que, com a sua tecnologia do mais alto nível, expressa perfeitamente a Quinta-essência da Ducati.

 

Quais foram as suas impressões sobre a 1299 Superleggera durante o seu primeiro teste?

A minha primeira vez com o monstro (eu a chamo assim quando estamos familiarizados) foi em Mugello. Já na saída do box eu percebi que era um objeto fora do comum, claramente dedicado ao desempenho, com uma atitude expressa com grande altivez, quase descaradamente, em cada etapa de pilotagem: acelera, desengata, inclina, inverte a direção, como nunca antes uma moto de produção conseguiu fazer.

 

Em que vocês se concentraram ao desenvolver a 1299 Superleggera?

Nos concentramos principalmente em um desafio: aplicar uma tecnologia muito avançada e desempenhos extraordinários em uma moto que fosse homologada para o uso na estrada. O resultado sem dúvida é positivo.

 

Você achou que uma moto homologada para o uso na estrada pudesse atingir um tal nível de desempenho?

Se me dissessem isso há alguns anos atrás, eu não teria acreditado. A primeira verdadeira racing que pilotei foi a 999SBK F03, na qual estreei como piloto de teste e posso dizer com certeza que a 1299 Superleggera é inigualável.

 

Qual é a característica mais impressionante dessa moto?

Se o motor desmodrômico EURO 4 com 215 cavalos que a equipa a 1299 Superleggera é o bicilíndrico de série mais potente já produzido e representa a máxima expressão tecnológica

da Ducati, é a ciclística que, graças à utilização da fibra de carbono – os materiais mais exclusivos já utilizados em uma moto de produção-, acaba por ser ainda mais fora do comum, tornando a 1299 Superleggera até mesmo mais ágil que a SBK da Chaz.

 

De que modo influencia o handling um uso tão amplo da fibra de carbono?

A utilização tão importante do carbono ajudou a reduzir ainda mais o peso, mas foi principalmente a menor inércia das rodas que influenciou o handling: as mudanças de direção são rápidas e a frenagem é incrivelmente potente.

 

Que tipo de desempenho é capaz de oferecer o motor 1285 cc Superquadro da 1299 Superleggera?

Estamos perante a máxima expressão do motor bicilíndrico Ducati. Geralmente quando se busca os cavalos perde-se algo em termos de torque, mas a 1299 Superleggera é a exceção que confirma a regra.

 

Que papel desempenha a eletrônica para melhorar a experiência de pilotagem dessa moto?

A eletrônica é um dos componentes que nos permitiu controlar uma moto de tal nível de desempenho, assegurando uma experiência única de pilotagem. isso também graças aos controles derivados das motos que competem nos campeonatos de MotoGP e WSBK, como o Controle Dinâmico de Estabilidade ou Ducati Slide Control (DSC) que, graças à plataforma inercial (IMU) de 6 eixos, permite ao piloto ir além do limite da mecânica. Além disso, o ABS Cornering ajuda a modular a incrível potência frenante também em inclinação.

 

Como pode a 1299 Superleggera ser comparada com uma moto de corrida?

A única comparação viável é com a Panigale R que corre no Campeonato Mundial de Superbike. O DNA é o mesmo, o comportamento dinâmico também. Se tirássemos a chapa de matrícula, as setas e os faróis, certamente não destoaria em uma competição mundial. 

 

Como se sente ao superar os limites em uma moto de fibra de carbono e com um motor de 215 hp?

Pilotar na pista, sempre no limite é o meu trabalho. Como profissional dificilmente me impressiono, porém a 1299 Superleggera conseguiu essa façanha: motor, freios, ciclística e eletrônica representam juntos a tecnologia de ponta.

 

O escape Racing muda o desempenho da moto e a experiência de pilotagem?

Com o escape aberto, a 1299 Superleggera transforma-se em uma verdadeira moto de competição. O impulso em velocidades médias cresce acentuadamente: estamos falando de 15cv a mais em 7000 rotações! A entrega torna-se ainda mais vibrante e o som é de dar arrepios, desde o momento em que é ligada até que começa a girar a 12.000 rotações. Para aqueles que tiverem a oportunidade de vê-la na pista, aconselho adquirir um bom par de tampões de ouvido...